Alexandre Keto prepara exposição que retrata a cultura africana no Brasil e na Europa

Alexandre Keto1

O artista plástico Alexandre Keto está preparando uma exposição que ocorrerá no segundo semestre de 2015, que começará em Salvador e que deve percorrer as principais capitais do País. A exposição reunirá 20 fotos e um número ainda incerto de obras que retratam a cultura negra dos países africanos e sua influência na Europa e no Brasil. O artista, que começou aos 12 anos a fazer grafites nas ruas da Vila Prudente, zona leste de São Paulo, ganhou notoriedade ao criar os traços de uma mulher negra, retratando nas paredes da cidade a cultura africana.

Sinfônica de Piracicaba espera captar R$ 2,5 milhões

E

O Ministério da Cultura publicou no Diário Oficial da União a portaria que autoriza a Orquestra Sinfônica de Piracicaba a captar recursos para a Temporada de Concertos 2015, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet. Com a adesão de empresas e pessoas físicas, será possível ampliar as apresentações gratuitas previstas para este ano e promover espetáculos a estudantes de escolas públicas. Com a captação integral dos recursos da Lei Rouanet, no valor de R$ 2.525.080, será possível promover dois concertos sinfônicos e quatro espetáculos didáticos mensais, num total de 45 apresentações até dezembro.

Big Bands ajudaram a cultura afro em Campinas

Érica Giesbrecht Pesquisa Baile 3

O que Glenn Miller, líder de uma das mais famosas orquestras de jazz dos anos 1930 e 1940, tem em comum com o jongo e o samba de bumbo, expressões afro-brasileiras por meio das quais os escravos buscavam manter a dignidade e a memória de sua cultura e que estão vivas até hoje? O que a princípio parece não ter conexão alguma, a não ser pelo fato de serem expressões culturais que receberam influência da diáspora africana na América, torna-se revelador em uma pesquisa de pós-doutorado realizada pela antropóloga Érica Giesbrecht pela USP: bailes glamorosos organizados pela comunidade negra da cidade durante os Anos Dourados, com músicas como “In the Mood” e “Moonlight Serenade” tocadas por orquestras, contribuíram para o fortalecimento de expressões culturais afro-brasileiras na cidade.

“Pós-bossa” vibes!

Show do lançamento do CD “Pós-bossa”, de Magno Bissoli Quinteto.

Jazz após as crianças dormirem

Marcus Almeida1

Muitos músicos de jazz que tocavam em orquestras em bailes restritos dos brancos nos Estados Unidos, saíam do trabalho para tocar em casas noturnas na periferia após os shows, o que ficou conhecido como Jam (Jazz After Midnight). Com o passar do tempo, a Jam ficou popularizada, ampliando seu significado para momentos de improvisação artística livre. Mas para uma série de músicos, que por vários motivos só tocam em bares quando convém, fazer um som em casa após a esposa e as crianças dormirem já é suficiente para manter o espírito criativo da arte. O compositor e guitarrista Marcus Almeida é um exemplo disso.

Pop sagrado ou gospel heterodoxo?

6pésnaestrada

Música alimenta? Se “a gente não quer só comida”, a música é um dos ingredientes fundamentais para alimentar o corpo e, principalmente, a alma. A banda 6 Pés na Estrada tem a proposta de fazer música que nutre. Liderados pelo performático Marko Concá (voz e baixo), os integrantes Mateus Polati (bateria) e Alexandre de Orio (guitarra) completam o “power trio”. Eles trazem na bagagem uma eclética experiência artística e musical.

Após os protestos, reze a “Missa dos Quilombos”

missa_dos_quilombos

O seu protesto foi no dia 13 ou 15 de março? Em ambos os protestos a tônica majoritária foi o de gritar contra a corrupção, obviamente excluindo desse ponto principal as vozes de minorias – cada vez maiores – que defendem a volta da Ditadura de Direita no Brasil (1964-1985), seja porque quer uma intervenção militar por não aceitar a decisão da maioria que elegeu Dilma Rousseff, seja porque desconhecem o poder transformador de educadores como Paulo Freire e de músicos como Chico Buarque.

Pife Muderno lança CD duplo de show ao vivo gravado na China

Carlos Malta

A banda Pife Muderno, que tem como um dos seus idealizadores o multi-instrumentista Carlos Malta, lançará no início de abril o CD duplo “Ao vivo na China”, com shows de apresentação do trabalho nos dias 1 e 2 no Sesc Copacabana, no Rio, e no dia 10, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. A apresentação na China ocorreu em 2011, quando a banda recebeu um convite da embaixada do Brasil em Pequim para realizar um show na sala de concerto que existe na Cidade Proibida, o Forbidden City Music Hall. O teatro, com capacidade para 1.500 pessoas, estava praticamente lotado e o público ficou entusiasmado com a performance da banda, que iniciou o show dentro da sala e terminou no hall de entrada, liderado pelo carisma contagiante do som de todo grupo e da confiança e habilidade musical de Carlos Malta.

Protesto eleva venda de panelas em 1.964% e irrita líderes liberais

panelas31

Desde o último domingo, quando macondonenses protestaram com um panelaço durante o pronunciamento do presidente do país, Demétrius Rosticoff, as vendas de panelas dispararam nas lojas. Especialistas explicam que parte desse incremento nas vendas é resultante dos furos provocados nas panelas pelas batidas do último domingo. Mas, para a maioria dos cientistas políticos do país, o principal motivo para o crescimento das vendas em 1.964% entre o último domingo e quinta-feira é a disposição dos manifestantes em usar a panela nova como instrumento musical durante o superprotesto agendado para domingo, dia 15 de março. “É bom lembrar que, o crescimento das vendas se deu porque ninguém mais acredita que panela velha é que faz manifestação boa”, diz o cientista político, Olívio Lamou Niê.

Kid Vinil lança biografia e sonha em escrever novo livro

kid_vinil-12

Um dos mais carismáticos roqueiros do Brasil chega aos 60 anos e tem agora sua história publicada: “Kid Vinil: Um Herói do Brasil”, biografia autorizada escrita pelo jornalista e músico Ricardo Gozzi e pelo músico e produtor Duca Belintani, será lançada entre o fim de março e o início de abril, pela editora Edições Ideal. O livro, com 160 páginas, conta um pouco da história de Antonio Carlos Senefonte, o Kid Vinil, cuja paixão pela música o fez cantor, guitarrista, escritor, jornalista, radialista, executivo de gravadora e apresentador de televisão. Como músico, ganhou notoriedade nacional ao criar sucessos nos anos 1980 como “Sou Boy” e “Tic-tic nervoso”, sem contar o conhecimento musical que o fez um dos mais queridos apresentadores de televisão do País, apresentando em primeira mão bandas como Ira!, Ultraje a Rigor, The Smiths, Pixies e R.E.M..

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal