Mais veloz que a luz

Ivo Perelman1

Os impressionistas buscavam captar a luz no exato momento da pintura. Artistas como Van Gogh, por exemplo, chegaram ao extremo. Em seu quadro “Noite Estrelada”, ele retratou a turbulência em espiral que flui na expansão da luz – fenômeno reconhecido até mesmo pela ciência. O saxofonista brasileiro Ivo Perelman vai além. “Quero não só captar a luz, mas tudo”, diz o músico, radicado nos Estados Unidos desde a década de 1980. “Eu tento captar a totalidade da minha experiência corpórea e espiritual, a fisicalidade que me rodeia. E a minha luta e o meu processo é ser cada vez mais honesto com essa captura. E mais eficiente. Busco tirar pensamentos estranhos e distrações e entrar na vibração simplesmente do ser como tal, como zen. Me mesclar com meu meio ambiente, com meus outros manos, com o planeta, com os planetas da Via Láctea e com o Universo. É uma experiência mística, eu nunca quis ser artista para outra coisa.” Expoente mundial do free-jazz, Perelman e o pianista americano Matthew Shipp se apresentarão em São Paulo, dias 11 e 12 de julho, no Sesc Pompeia, com vários motivos interplanetários para comemorar. Na semana da apresentação no Brasil, o duo lançará uma caixa com quatro CDs batizada de “Efflorescence”. Este será o centésimo trabalho da carreira de Perelman, 58 anos, que também completa 30 anos de estrada desde o seu primeiro trabalho, “Ivo”. Há 20 anos, o instrumentista se enveredou pelas artes plásticas e ainda lançará no próximo mês uma plataforma de exibição e de comércio eletrônico de suas obras.

Ebonit, Ébonita!

Ebonit

O saxofone paira sobre o inconsciente coletivo como um instrumento do jazz, mas sua amplitude é gigantesca, passando por grandes nomes do choro e do samba como Abel Ferreira, Pixinguinha e Paulo Moura, ao mundo da música erudita. Pelo fato de ter sido criado em 1840 na Bélgica, grandes compositores eruditos não chegaram a conhecer esse instrumento, que teve impulso no início do século 20 por personagens importantes como Claude Debussy. Mas se depender de um quarteto de saxofones formado na Holanda em 2011, a influência desse instrumento na música clássica será cada vez maior. O Ebonit Saxophone Quartet, que lançou no ano passado o CD “Arabesque”, em homenagem a Debussy, acredita que é uma questão de tempo para que o instrumento cresça no mundo da música clássica contemporânea. “Muitos dos grandes compositores eruditos não tiveram a chance de ‘ser apresentado’ a um saxofone. No entanto, os pais do saxofone clássico Marcel Mule e Sigurd Rascher fizeram um grande trabalho aproximando e convencendo muitos compositores de seu tempo a escreverem para esse instrumento”, diz a saxofonista polonesa Paulina Marta Kulesza, integrante do Ebonit, em entrevista por e-mail ao entresons.com.br. “E não podemos nos esquecer que existem muitos compositores hoje que já escreveram e estão dispostos a continuar escrevendo para o nosso instrumento. Deverá ser muito interessante olhar para essa questão daqui a 200 anos para ver o que mudará.”

Criatividade artificial

Deep Meditations Memo Akten2

A evolução da inteligência artificial chegou ao mundo da arte e da ciência, produzindo músicas, esculturas, pinturas e diagnósticos médicos. Até a capacidade de sonhar do ser humano, que poderia nos diferenciar das máquinas, poderá ser reinterpretada no momento de ascensão da computação quântica, cujo impacto na sociedade é imprevisível. Conheça um pouco da história de artistas e artistas-cientistas que estão preocupados com a mais tênue divisão entre seres biológicos humanos e robôs na busca por sentido estético e impulso criativo.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal