MULHERES_ESPINDOLA_por_Carina_Barros (2)

Mulheres Espíndola

Nany Gottardi, São Paulo, Locomotiva Cultural, nany@locomotivacultural.com.br

É no cabelo de mulheres que os segredos se fazem. Os fios entrelaçam sua história, estendem-se de sua raíz à sua prole. “Pelos Cabelos” percorre a vida pelos fios, a visão de cinco mulheres unidas, emaranhadas, amarradas em um só arrepio. “Pelos Cabelos” é um encontro especial entre as cantoras e compositoras Tetê Espíndola e Alzira E ao lado de Iara Rennó, Luz Marina – filhas de Alzira – com projeções e direção de Patrícia Black – cineasta, filha de Tetê. O encontro inédito entre mães e filhas promete o frescor da novidade e o contar de uma história vivida no seio desta grande família de artistas.

As mulheres Espíndola se encontram no palco com craviola, violões, guitarra, baixo e ukulelênum feixe de vozes e imagens que criam um verdadeiro concerto audiovisual do feminino. Uma narrativa, que entre canções e cinema, homenageia a mulher, figura que se estende à mulher-mãe, à mulher brasileira e às diversas maneiras que estas repassam suas raízes, de geração em geração.No repertório, músicas que marcaram e o desenrolar de uma nova geração de mulheres artistas, algumas inéditas, que resgatam desde o início da carreira de Tetê e Alzira, como ARATARDA e CABELOS E PELOS, à músicas que pontuam a história e memória da família, tais como LUZIARA, LUZ MARINA, MENINA – marcos dos nascimentos. As imagens permeiam universos lúdicos e oníricos, muitas com base na paisagem de origem da família, a pantaneira. Sua natureza lisérgica acompanha o repertório musical e ainda revela valor documental, com momentos inéditos da pesquisa da cineasta Patricia na memória de sua mãe, tios e avós.

São Mulheres Espíndola:

Tetê Espíndola: Ao longo de seus 35 anos de carreira, a cantora, compositora e instrumentista ganhou inúmeros prêmios pelo seu trabalho voltado para a experimentação e recriação do universo ecológico brasileiro. Foi aclamada com o Prêmio Revelação da Associação de Críticos Paulistas/ 1982, pelo disco “Pássaros na Garganta”. Participou de dois importantes festivais brasileiros, vencendo o Festival dos Festivais /1985, com “Escrito nas Estrelas”. Ganhou o prêmio Fundação Vitae para desenvolver trabalho de composição musical sobre os pássaros brasileiros, que resultou no LP “Ouvir” (1991). Gravou mais de 16 discos e fez inúmeros shows pelo Brasil e exterior. Em 2006, realizou a expedição Água dos Matos, na região Centro Oeste, descendo de chalana os rios Cuiabá e Paraguai, oferecendo shows e oficinas gratuitas aos povos ribeirinhos. Em 2014, lança pelo selo Sesc seu mais novo trabalho, o Álbum Duplo que contém a remasterizarão do LP Pássaros na Garganta (1982) e “Asas do Etéreo”, trabalho inédito, que traz apenas composições da artista e participação especial de 12 instrumentistas, como Egberto Gismonti, Jaques Morelenbaum, Hermeto Pascoal, Dani Black.

Alzira E: Alzira Maria Miranda Espíndola, hoje se auto denomina, Alzira E cantora e compositora, vinda de uma família de artistas Sul Mato-grossenses. Começou musicalmente com seus irmãos “Tetê e o Lírio Selvagem”(1978) . Radicada em São Paulo desde 85, tornou-se parceira de Itamar Assumpção, parceria esta, responsável por sua produção musical nos anos 90. Dentre suas parcerias destaca-se o CD PARALELAS com a poeta Alice Ruiz. Com o poeta paulistano arruda produziu o CD ALZIRA E e PEDINDO A PALAVRA. Neste ano lançando o CD O QUE VIM FAZER AQUI, com parcerias inéditas com Itamar Assumpção, dá sequência a essa trajetória em busca de inovação musical e valorização poética que sempre marcaram a carreira e a linguagem singular da cantora e compositora. Alzira E possui obras na voz de grandes interpretes da música brasileira, como Ney Matogrosso, Zelia Duncan, Maria Alcina, Ceumar, Simone entre

Patrícia Black: Artista Visual. Nasceu em São Paulo, filha de músicos. Formada em audiovisual ela iniciou sua carreira de direção com seu primeiro ensaio documental “A Voz do Poço” (2013). O curta metragem ganhou o prêmio de melhor filme pela escolha do júri no 9º Cine MuBE em São Paulo e teve passagem por diversas outras mostras de cinema como Festival de Cinema de Gramado, Tiradentes, MFL no Rio de Janeiro, Festival Internacional de Curtas de São Paulo, entre outros. Realizada trabalhos de investigação artística de fotografia e vídeo, entre eles performances com o grupo de música eletroacústica NME em 2013-2014, com apresentações no CCSP, Tomie Ohtake, entre outros. Inserida no meio musical, Patricia contribui na direção e identidade visual de diversos artistas, entre eles Tetê Espíndola, Luz Marina, Dani Black, Pedro Alterio e Bruno Piazza, Dandara Modesto e Paulo Monarco. Além de direção e edição de vídeo, assume a direção artística de espetáculos (cenário e projeções), fez o lançamento do Álbum Duplo de Tetê Espíndola no Sesc Vila Mariana, com participações de Egberto Gismonti e Hermeto Pascoal; Tetê e o Lírio Selvagem no Theatro Municipal; e Luz Marina no Sesc Vila Mariana. É uma das sócias da produtora Vortex, voltada à produções de cunho musical e artístico.

Luz Marina: Cantora e compositora, nascida no Pantanal e criada em São Paulo, lançou em dezembro de 2013 seu primeiro CD “Luz Marina”, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Já participou de diversos shows com artistas do cenário brasileiro, como Ney Matogrosso e Zélia Duncan, além de membros da sua família Espíndola. Entre seus parceiros de composição estão Alzira E, Anelis Assumpção, Lucina, Thalma de Freitas, Iara Rennó entre outros. Recentemente compôs com os poetas curitibanos Alice Ruiz e Paulo Leminski, músicas ainda inéditas em cd, mas marcantes nos shows. Desde 2005 se apresenta no cenário paulistano e em Mato Grosso do Sul. No seu universo musical, aplica, de maneira sutil, sua pesquisa sobre a relação existencial do ser humano com a música, eixo de seu mestrado na Usp. O show de lançamento contou com a direção artística de Patrícia Black e projeções de imagens da instalação “Arcada” de Edith Derdyk.

Iara Rennó: Cantora, compositora, instrumentista, produtora musical, performer, atriz. Iara Rennó tem músicas nas vozes de Elza Soares (que gravou Mandingueira, parceria com Bid e Walmir Gil, no CD Bambas e Biritas, de Bid, em 2006), Ney Matogrosso (que canta Leve, composta com Alice Ruiz, no show Inclassificáveis), Fado Mudo na voz da cantora portuguesa Maria João e ainda Chuva (parceria com Thalma de Freitas) gravada por Gaby Amarantos no disco Treme. Após uma safra de shows em novo formato na capital carioca entre 2012 e 2013, a artista lança seu novo álbum I A R A, gravado e produzido por Moreno Veloso, com shows no SESCPompéia, Espaço SESC Copacabana, Virada Cultural, Virada Paulista, entre outros. No carnaval de 2012, ao lado da multi-artista Cibelle, Iara produziu e lançou o disco A.B.R.A. Pré-ca, que conta também com Ruben Jacobina e banda Do Amor. Em agosto de 2008 lançou Macunaíma Ópera Tupi, projeto que foi selecionado e patrocinado pelo Programa Cultural de Petrobras e lançado em tiragem comercial e nacional pelo Selo SESC. Assinam as produções artistas como Siba, Kassin, Buguinha Dub, Benjamin Taubkin, e participam TomZé e Arrigo Barnabé, entre outros. Em 2001, ao lado de Andréia Dias, Iara formou o grupo DonaZica, um dos nomes da nova música popular de São Paulo. A banda tem dois discos lançados: “Composição”, de 2003, e Ganhou diversos prêmios.  Cantou na banda de Itamar Assumpção durante 3 anos e iniciou sua carreira cantando com sua mãe, Alzira E.

 

Mulheres Espíndola – Pelos Cabelos

Data:  05 de dezembro, às 21h

Abertura da Casa às 20h

Local: Casa do Núcleo

Endereço: Rua Padre Cerdá, 25

Capacidade: 70 pessoas

Ingresso : R$35

Aceita Cartão de crédito, débito e dinheiro

Não tem estacionamento

Duração: 90 min.

Venda de ingressos: Bilheteria da Casa do Núcleo (segunda à sexta de 12h às 18h) ou site www.casadonucleo.com.br.

Classificação indicativa: livre

Comentários
Uma resposta para “Mulheres Espíndola”
  1. Rubia Gutterres disse:

    Show lindo, de puro encanto!!!
    Daqueles de se ver, rever e rever e sempre descobrir algo novo.

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal