Lanfranco Marcelletti

Orquestra mexicana se apresenta em cinco Estados brasileiros

A Orquestra Sinfônica de Xalapa (OSX), capital do estado de Veracruz, o segundo maior do México, apresenta-se pela primeira vez ao Brasil, em concertos em cinco Estados apresentando o trabalho de quatro compositores consagrados: o brasileiro Marlos Nobre, o mexicano Silvestre Revueltas, o francês Claude Debussy e o alemão Richard Strauss. Com um regente pernambucano à frente, o grupo de 94 músicos e mais 12 pessoas da organização desembarcam no próximo dia 5 de outubro em Recife para uma série de apresentações que incluem também João Pessoa, Natal, Rio de Janeiro e São Paulo em seu roteiro de 11 dias de Brasil.

Sob a regência do maestro Lanfranco Marcelletti há quatro anos, este grupo funciona desde 1929 e é o mais antigo em atividade no México. A agenda da turnê começa pelo Recife, no Teatro Guararapes, o terceiro maior do Brasil, com capacidade para 2.405 pessoas. No dia seguinte, 8, é a vez da Paraíba receber os músicos na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, do Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa, que foi projetado exclusivamente para a apresentação de orquestras e inaugurado em 2014. No dia 9 a OSX chega em Natal (RN) para apresentação no Teatro Riachuelo.

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro, um dos maiores patrimônios culturais do Brasil, recebe o grupo no dia 12, em sua penúltima apresentação. Fechando em grande estilo a turnê no dia 15 de outubro, a Sala São Paulo (sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp), recebe os músicos mexicanos e seu programa que homenageia os dois países envolvidos. A entrada será gratuita em todos os concertos, com exceção deste último.

No comando da orquestra desde 2012, o maestro Lanfranco Marcelletti é recifense e regeu a Orquestra Sinfônica do Recife, nos anos 90, antes de se mudar para os Estados Unidos, onde viveu 17 anos. “Sou brasileiro e meu sonho era levar a orquestra para o Brasil para que nossos músicos mexicanos pudessem conhecer o país. A OSX é uma grande orquestra e quero fazê-la conhecida onde for possível”, diz. Para as apresentações no Brasil, Lanfranco montou um programa em duas partes. A primeira traz uma peça do compositor brasileiro Marlos Nobre e outra do mexicano Silvestre Revueltas. Já a segunda parte será dedicada à música de Claude Debussy e Richard Strauss.

lanfranco-marcelletti

Lanfranco é reconhecido no cenário da música sinfônica como um dos diretores mais talentosos da nova geração

Lanfranco é reconhecido no cenário da música sinfônica como um dos diretores mais talentosos da nova geração. Busca, em cada apresentação, demonstrar a força de cada instrumento na construção da melodia. Seu estilo de regênciaé bastante emotivo e contagiante. Marcelletti já regeu orquestras no Brasil, Estados Unidos, Chile, Itália, Espanha e Suiça, entre outros.

Além de concertos formais- em que será executado um repertório de música sinfônica brasileira, mexicana e universal, serão realizadas oficinas de instrumentos e música de câmara em instituições de ensino, como o Instituto Baccarelli, em São Paulo, e a Orquestra Criança Cidadã, no Recife. “Pensamos em trazer a Orquestra também para que houvesse esse intercâmbio cultural, em que os músicos conheçam alguns projetos sociais ligados à música e deixassem um pouco de conhecimento para as crianças e adolescentes brasileiros. Além disso, é uma grande oportunidade do público ouvir, pela primeira vez, peças do repertório sinfônico mexicano”, explica Ludmila Portela, produtora da turnê através da Verbo Assessoria, empresa que se associou à Tangram Cultural na realização desta empreitada.

A Orquestra Sinfônica de Xalapa foi fundada em 1929 pelo governador de Veracruz, um aficionado por música clássica. Nessa época, a orquestra tinha 38 músicos. Hoje são mais de 100. Em 1975, a OSX passou a ser mantida pela Universidad Veracruzana. Com apresentações em países como Alemanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Guatemala, foi aclamada como a “principal embaixadora da criatividade e da música mexicana”. Sua sede, o Centro Cultural Tlaqná, é uma das mais proeminentes da América Latina, tendo sido projetada pelo arquiteto americano Larry Kirkegaard. A formação de público entre os jovens é umas das preocupações da direção da orquestra, que já realizou flashmobs em um shopping de Xalapa e um concerto com um programa dedicado apenas a músicas de filmes, como Star Wars.

O Repertório

O maestro Lanfranco Marcelletti montou um repertório especial para essa turnê, com peças da música clássica brasileira, mexicana e mundial. “Queria mostrar um programa variado e que pudesse exibir toda a capacidade da OSX”, explica. Confira as impressões do maestro sobre as obras.

Primeira parte:

“Passacaglia” (1977),do compositor brasileiro, Marlos Nobre (1939).

“Peça que utiliza uma técnica de composição barroca, mas com usos de ritmos e melodias brasileiros. Marlos Nobre é presença constante no cenário mundial, sendo suas peças tocadas por grandes orquestras em todo o mundo. E olha que é recifense! Queria que tanto mexicanos como brasileiros pudessem estar em contato com a música de tão grande compositor.”

“Redes”, do mexicano Silvestre Revueltas (1899-1940), para o filme de mesmo nome.

“Não houve dúvida que a escolha mexicana seria uma peça do compositor Silvestre Revueltas (1899-1940). Para mim, um dos grandes compositores mundiais.  A peça que vamos interpretar, ele a escreveu para o filme “Redes” (dirigido por Fred Zinneman y Emilio Gomez Fred Zinneman e lançado em 1936) e é considerada umas das melhores trilhas sonoras do cinema mundial. Cada vez que eu a rejo, fico mais impressionado com a qualidade da música de Revueltas. É fantástico.”

Segunda parte:

“Prelúdio para a tarde de um fauno”, do compositor francês Claude Debussy (1862-1918).

“Estreou no final do século XIX. Peça curta, mas que mostra uma enorme gama de detalhes e que evoca sentimentos muito especiais por suas sonoridades exóticas.”

“Suíte da ópera O Cavalheiro da Rosa”, do compositor alemão Richard Strauss (1864-1949).

“Esta peça, criada a partir da ópera homônima do mesmo compositor (1944), traz grande complexidade técnica para a orquestra e melodias que encantam o público. É uma peça em que a gente pode mostrar muito das nossas capacidades.”

 

Orquestra Sinfônica de Xalapa

07/10 – Teatro dos Guararapes, Recife (PE)

08/10 – Sala de ConcertosJosé Siqueira, João Pessoa (PB)

09/10 – Teatro Riachuelo, Natal (RN)

12/10 – Theatro Municipal, Rio de Janeiro (RJ)

15/10 – Sala São Paulo, São Paulo (SP)

 

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal