ze-brow

Encontro entre a metrópole e o interior

Leandro Haberli

Um dos pioneiros na mistura de rap com repente, coco e embolada, o músico pernambucano Zé Brown também é conhecido por ter ajudado a criar, em 1988, o grupo Faces do Subúrbio, primeira grande referência do rap nacional feito fora do eixo SP-Rio. Ao lado de nomes como Racionais, Câmbio Negro e Gog, o Faces do Subúrbio e seu MC Zé Brown foram fundamentais para a expansão da cultura hip-hop no Brasil a partir dos anos 1990.

Embolador, rapper e compositor, nos últimos quatro anos Zé Brown se dedicou à pesquisa de culturas regionais para compor as músicas do álbum “Poesias do Povo”, com lançamento previsto para o início de 2017. Gravado no estúdio Medusa, de São Paulo, com direção musical de Janja Gomes (filho do percussionista João Parahyba), o disco apresenta uma síntese do diálogo que Zé Bown vem propondo entre o hip-hop e a cultura popular brasileira, a metrópole e o agreste, o interiorano e o urbano.

Todo esse caldeirão de influências é temperado por competente trabalho de guitarra, trompetes jazzísticos, poderosas linhas de baixo e, claro, muito pandeiro. Entre as músicas de “Poesias do povo” está ‘Chegou a hora’, a primeira a ganhar um videoclipe (edição e fotografia de Thais Taverna). Para assistir, copei e cole no navegador http://tinyurl.com/zyydnkf. A Senha é repente.

O videoclipe de “Chegou a hora” foca na essência do trabalho de composição do artista. A luz e a edição ressaltam a sua expressividade, enquanto os outros elementos da música vão aparecendo, valorizando o trompete de Márcio Oliveira e os scratchs do DJ Marcelinho. O pandeiro do embolador e as tatuagens que carrega no corpo – de Mandela, Zumbi e Cajuzão (irmão de Caju, da dupla de repentistas Caju e Castanha) -, também são revelados nas imagens.

Além da pesquisa de ritmos regionais, ‘Poesias do Povo’ se destaca pelas parcerias artísticas, que inclui nomes como Marcelo D2, João Parahyba, Cajú e Castanha e Jorge Du Peixe. “Também estão comigo o baixista Gabriel Cantazaro, do Aláfia, o próprio Janja Gomes e o DJ Marcelinho, que são músicos fixos”, conta Zé Brown, acrescentando entre as participações especiais Mc Jack, Fernandinho Beat Box, Terno Quente, Simone Essi, Jéssica Menezes, Alessandra Leão, Rafaela Nepamuceno, Joul Matéria Rima e Maciel Melo. “Além disso, o DJ Hum produziu uma música. Tem ainda o DJ Beto. A patota é boa”, completa o artista.

Nascido em Recife, no bairro de Casa Amarela, Zé Brown cresceu na comunidade Alto José do Pinho, a maior da capital pernambucana. Desde os anos 1990, passa a maior parte do tempo em São Paulo. Atualmente mora em Diadema, onde atua como arte educador do projeto Matéria Rima, que leva a cultura hip-hop a escolas da cidade. No Matéria Rima Zé Brown é responsável pelas oficinas de pandeiro e embolada, oferecidas a alunos do ensino fundamental do município.

“Poesias do povo” é o segundo disco da carreira solo do artista. Em 2011, Zé Brown registrou a primeira parte da sua pesquisa sobre cultura regional e rap no álbum “Rap Repente Rap”, com direção de Skowa e Janja Gomes.

Desde que deixou de ser o MC do Faces do Subúrbio, Zé Brown se dedicou ainda mais à música regional e foi beber da fonte de grandes mestres da embolada, como mestre Salustiano, mestre Galo Preto, mestre Zé Neguinho e Lia de Itamaracá. Sempre fiel à cultura hip-hop, o músico é um dos maiores conhecedores de coco, embolada e repente do país. “Antes de falecer, o grande mestre Zé Neguinho me nomeou seu discípulo. É uma grande honra para mim. Ele me ensinou as diversas modalidades de coco. Fizemos juntos uma turnê com a banda Digital Groove, de música eletrônica”, conta o artista.

Zé Brown já se apresentou também com o mestre Galo Preto, em Pernambuco e no Rio de Janeiro. “O contato com esses mestres me fortaleceu bastante e renovou a vontade de lutar pela cultura popular”, conclui o artista, cujo currículo exibe shows e parcerias com bandas e cantores de vários estilos, incluindo Lula Queiroga, Josildo Sá, Mônica Feijó, Marcelo Santana, Geraldo Maia, Lenine, Zeca Baleiro, Devotos do Ódio, Silvério Pessoa, Márcio Oliveira, Marco Axé, Up Town Band, Sistema X, Extremistas MCs e Grupo Terra.

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal