João Donato e Donatinho -foto de Renato Pagliacci -b

Na Clave!

João Donato e Donatinho – 4/08, 21h30, Ingresso: R$ 20 a R$ 6 – João Donato, o mago dos pianos, um dos mais importantes artistas brasileiros, lançou recentemente o primeiro álbum “Sintetizamor” junto com seu filho caçula, Donatinho. O disco traz uma sonoridade pop moderna, na qual o filho leva o pai ao seu universo sonoro. Na foto de destaque, clicada pelo fotógrafo Renato Pagliacci, é possível já perceber pelas roupas o tom futurista do trabalho. O disco foi produzido por Donatinho, que assina também os arranjos, e gravado no seu estúdio Synth Love (Rio de Janeiro). “Sintetizamor” traz 10 faixas inéditas assinadas por ambos, algumas em parceria também com Davi Moraes, Domenico Lancellotti e Rogê. No show, Donato & Donatinho tocam juntos e mostram os trabalhos individuais. O repertório traz – além das composições inéditas, como “Lei do Amor”, “Luz Negra” e “Ilusão de Nós” – clássicos da carreira de João Donato e músicas do disco Zambê, premiado trabalho autoral de estreia de Donatinho. Local: Comedoria do Sesc Belenzinho, Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho, São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700.

Grupo Corpo – 4 a 13/08 – Ingresso entre R$ 50 a R$ 160 – O Grupo Corpo apresenta o espetáculo “Gira” em quatro capitais, com patrocínio da Petrobras. A estreia ocorre em São Paulo. Com trilha sonora criada pelo trio paulistano Metá Metá, o espetáculo se inspira na umbanda, mais especificamente suas rodas cantadas e dançadas de culto a entidades, as chamadas “giras”. Em 40 minutos de apresentação, 21 bailarinos se transformam em veículos para a manifestação de espíritos, vagueiam, dançam em trios, duos ou solos. A coreografia foi criada por Rodrigo Pederneiras. Os figurinos, assinados por Freusa Zechmeister, são formados por saias brancas de corte primitivo e tecido cru. A trilha sonora conta com as participações especiais do poeta, ensaísta e artista plástico Nuno Ramos e da cantora Elza Soares em duas faixas. A iluminação fica a cargo de Paulo e Gabriel Pederneiras. Local: Teatro Alfa (Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro. Tel.: 11-5693-4000 / 0300-789-3377), Quartas e quintas, 21h. Sextas, 21h30. Sábados, 20h. Domingos, 18h., Setores I e II – R$ 160. Setor III – R$ 90,00. Setor IV – R$ 50., Venda online: www.ingressorapido.com.br.

“Seresta de Sexta” especial Adoniran Barbosa –  4, 11, 18 e 25/08, 20h às 21h30, Gratuito – Ao som dos seresteiros Trovadores Urbanos, a famosa Seresta de Sexta, que acontece toda sexta-feira do ano,  será dedicada a Adoniran Barbosa. Ele completaria 107 anos no dia 6 de agosto, caso estivesse vivo. Os fãs de João Rubinato poderão matar a saudade do sambista mais ilustre da terra da garoa. A plateia vai cantar junto os grandes clássicos do artista como  “Saudosa Maloca”, “Trem das 11”, “Iracema”, entre outros. Organizada e promovida pelos Trovadores Urbanos, a Seresta de Sexta acontece desde 2010. Com voz e violão, as apresentações geralmente são feitas em dupla e têm início na charmosa varanda da casa em Perdizes, onde também funciona o escritório do grupo. Um sobrado todo enfeitado de corações e luzinhas  coloridas. A  decoração é da artista plástica Daniela Saraiva, com cadeiras antigas, banquinhos de papelão reciclados, decorados com trechos de lindas músicas. Muro pintado pelo artista  plástico Sergio Fabris,  mostrando um coro de crianças, fazendo uma lembrança aos Trovadores Mirins. Um poste antigo, com uma luzinha de bola real, clima romântico e gostoso, seresteiro ao luar.  Casa dos trovadores, Rua Aimbere, 651, perdizes – São Paulo, Estacionamento: na rua, Show de rua, Indicação etária: livre.

Bruta Flor – 04/08 a 29/09, sempre às sextas-feiras, às 21h30, Ingressos: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia) – A peça “Bruta Flor”, que provoca o espectador a refletir sobre homoafetividade e preconceitos nas relações amorosas, retorna ao cartaz, em curta temporada. A peça estreou em novembro de 2016 e ficou em cartaz por oito meses, em temporadas distintas, no Viga Espaço Cênico e no Teatro Augusta. Texto denso e potencialmente polêmico, que trata da homofobia internalizada e sua possível consequência trágica, despertou o interesse do ator Marcio Rosario em assumir a direção e a produção do espetáculo. “O tema não poderia ser mais atual: o Brasil vive uma onda de intolerância contra a diversidade sexual”, diz Rosario. O drama de Vitor de Oliveira e Carlos Fernando de Barros aborda o relacionamento de dois homens, Lucas e Miguel, que se reencontram e começam a relembrar a trajetória deles, desde a adolescência. Miguel vai estudar em Londres e Lucas se casa com Simone, sua namorada desde o colégio, e lutam para realizar o grande sonho dele: ser pai. Após 12 anos, Miguel e Lucas se reencontram no metrô. Um reencontro que traz à tona sentimentos até então desconhecido para ambos. A peça tem trilha sonora de Cida Moreira e efeitos sonoros de Pedro Lemos, cenário de Reinaldo Patrício e figurinos de Amir Slama. Local: Teatro AugustaRua Augusta 943 – Cerqueira César, Informações: (11) 3151-4141, Sala Paulo Goulart, Ingressos: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia), Duração: 80 minutos, Recomendação: 16 anos.

Banda Mamparra na foto de Isabel Tell

Banda Mamparra na foto de Isabel Tell

Mamparra no evento A Porta Maldita – 05/08 – 19h30 – Grátis – O termo ‘mamparra’ é usado na África como significado para ‘festa, celebração’. Possivelmente foi trazido para o Brasil pelos africanos e aqui ganhou também a conotação de ‘corpo mole’… Por exemplo, ‘estar com mamparra’ é fingir-se de doente para fugir de uma obrigação. A junção das definições fez com o quarteto, formado por Gustavo Araujo Borges (guitarra/voz), Maiana Monteiro (voz), Felippe Rodrigues (bateria), e Guilherme Mingroni (baixo), adotasse o termo como nome. Apesar de só agora estar lançando o primeiro CD, Mamparra, a banda existe há sete anos e começou, liderada por Gustavo, com o intuito de tocar músicas de Itamar Assumpção. Aos poucos foram chegando os amigos e o repertório se ampliou. Além de canções de Gustavo, criaram versões para músicas de Belchior, Jards Macalé e Gilberto Gil. Local: Praça General Oliveira Álvares, Pinheiros (entre as ruas João Moura e Abegoaria), São Paulo.

Marcos Pereira – 5 e 6/08 – Ingresso a R$ 30 e R$ 15 no sábado e gratuito no domingo – O músico Marco Pereira, um dos mestres do violão, participa como solista dos concertos da Orquestra Sinfônica de Campinas neste final de semana, no Teatro Castro Mendes. Na regência, o conhecido maestro Carlos Moreno. O repertório destaca obras dos compositores brasileiros como Osvaldo Lacerda (Abertura nº 1), Villa-Lobos (Sinfonietta nº1), além de peças do próprio solista (Abertura Brincantes, Suíte das Águas, Círculo dos Amantes, Violão Vadio). Local: Teatro Castro Mendes (Praça Correa de Lemos, s/n. Vila Industrial. Campinas). Telefone (19) 3272-9359. Ingressos: Sábado – R$30,00 (inteira), R$ 15,00 (estudantes, aposentados), R$ 10,00 (professores das escolas públicas e privadas de Campinas e das cidades da Região Metropolitana, pessoas com mobilidade reduzida e portadores de deficiências), R$ 5,00 (estudantes das redes municipal e estadual). Domingo: entrada gratuita. Os ingressos serão distribuídos com uma hora de antecedência. Classificação indicativa: 6 anos.

Leone da Gaita – 9/08, 21h, Ingresso: R$ 15,00 – Em apresentação solo – voz, violão e gaita – Leone da Gaita faz o show “Blues Acústico, do Mississippi a  Chicago”, com foco no blues dos anos 1920, 30 e 40. No repertório, clássicos do gênero assinados por lendários bluesmen. Entre eles, Robert Johnson (“Walkin Blues”, “Sweet Home Chicago”), Leadbelly (Goodnight, Irene”), Willie Dixon (“Just Like I Treat You”), John Lee Hooker (“Dimples) e (B. B. King “The Thrill Is Gone). Local: BRAZILERIA – Música, Sabor e Arte /Rua Clélia 285, Lapa, São Paulo, tel. 2628-4211 / Todos os cartões de crédito e de débito.

O Piano que Conversa – 9/08, Grátis – Uma imersão sonora e imagética que evidencia conexões humanas por meio da música. Essa é a premissa do documentário musical “O Piano que Conversa”, filme vencedor do Prêmio Petrobrás (Festival In- Edit Brasil) de melhor longa nacional, na categoria Júri Popular. No dia 09 de agosto, às 19h30, o filme será exibido no Centro Cultural São Paulo, na sala SPcine Paulo Emílio. Após a sessão, o diretor do documentário, Marcelo Machado e o  protagonista, Benjamim Taubkin conversam com a plateia. Simultaneamente, o filme estará sendo exibido em outras três salas da SPcine, na periferia da cidade – Spcine Vila Atlântica, Spcine Vila do Sol, Spcine Caminho do Mar e Spcine Paz. Todas as sessões serão gratuitas. Locais: Centro Cultural São Paulo sala Paulo Emilio (Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso), CEU Caminho do Mar (Rua Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 5241 – Jabaquara), CEU Paz (Rua Daniel Cerri, 1549 – Jardim Paraná/Brasilândia), CEU Vila Atlântida (Rua Venâncio Dias, 840 – Pirituba) e CEU Vila do Sol (Avenida dos Funcionários Públicos, 369 – Campo Limpo)

Duo Entre Latinos – 10/08, 21h. Ingresso: R$ 20,00 – O duo instrumental Entre Latinos reúne a brasileira Angela Coltri, flautista e saxofonista, e o colombiano José Valencia, violonista. O show é uma viagem musical pela América Latina. No repertório, canções como “El Patasdilo” (do colombiano Carlos Vieco), “Sabor a mi” (do mexicano Alvaro Carrillo), “Lágrimas negras” (do cubano Miguel Matamoros) e “Joaninha”, do peruano Sérgio Valdeos. E há ainda peças eruditas originais para flauta e violão, como “A História do Tango”, de Astor Piazzolla. Local: BRAZILERIA – Música, Sabor e Arte /Rua Clélia 285, Lapa, São Paulo, tel. 2628-4211 / Todos os cartões de crédito e de débito.

Andréa Chakur – 11/08, 21h. Ingresso: R$ 20,00 – Dona de uma voz lindíssima e de um berço musical fantástico, acompanhada por músicos de primeira linha, Andréa Chakur volta ao Brazileria apresentando um repertório de clássicos da música brasileira e standards de jazz. A cantora é acompanhada pelo trio “Os 3 de Abril”: Zé Roberto Araújo (guitarra e violão de 7 cordas), Sergio Del Carlo (bateria e percussão) e Marco “Capê” Capezzuto (contrabaixo). Filha e sobrinha das integrantes do Quarteto em CY, que completou 53 anos de carreira, Andréa teve toda a sua infância e adolescência muito próxima dessas lindas vozes, e considera sua principal escola. Local: BRAZILERIA – Música, Sabor e Arte /Rua Clélia 285, Lapa, São Paulo, tel. 2628-4211 / Todos os cartões de crédito e de débito.

Passoca - Foto Gal Oppido (5)

Passoca se apresenta no Brazileria fazendo homenagem a Adoniran. Foto de Gal Oppido.

Passoca – 12/08, 21h. Ingresso: R$ 35,00 – Compositor, cantor e violeiro, Passoca tem um trabalho associado tanto à música caipira quanto à Vanguarda Paulista. É sempre lembrado por sua “Sonora garoa”, que lançou em 1982. Mas fez muito mais: tem sete discos próprios, o mais recente deles “Suíte Paulistana”, de 2012. Um desses discos é muito especial: “Passoca Canta Inéditas de Adoniran”. Lançado em 2000, é o resultado de um mergulho de Passoca no baú de guardados do compositor. Quatorze letras deixadas por Adoniran receberam melodias de gente como Tito Madi, Zé Keti, Paulo Bellinati e o próprio Passoca, entre outros. Acompanhado do violonista Ronaldo Rayol, Passoca mais uma vez canta Adoniran Barbosa, numa homenagem ao autor de “Saudosa Maloca” – que em 6 de agosto estaria completando 106 anos. O repertório tem algumas das inéditas que lançou – entre elas “Lagartixa” (com música de Paulo Bellinati e Edson Alves), “Gulú gulú” (com música de Léo Romano) e “Roubaram a lagosta” (com música de Tasso Bangel). E, naturalmente, estarão também presentes alguns dos grandes clássicos de Adoniran, entre eles “Prova de Carinho”, “Samba do Arnesto” e “Trem das Onze”. Local: BRAZILERIA – Música, Sabor e Arte /Rua Clélia 285, Lapa, São Paulo, tel. 2628-4211 / Todos os cartões de crédito e de débito.

À Meia Noite Um Solo de Sax na Minha Cabeça – Temporada 16/08/2017 a 12/10/2017, com sessões Quartas e Quintas-feiras, às 21h, Ingressos – R$ 20,00 (meia) e R$ 40,00 (inteira), Classificação – 14 anos. – Com texto e direção de Mário Bortolotto a peça reestreia em São Paulo, em 16 de agosto, quarta-feira, às 21h, em nova temporada. Fábio Espósito e Henrique Stroeter interpretam Jesse e Billy, respectivamente. Eles são amigos desde a maternidade e suas vidas tomam rumos inesperados quando adultos. Entre 1950 e a passagem do ano de 1983 para 1984, eles compartilham, em 13 quadros, experiências pessoais, políticas e sociais pontuadas por ágeis trocas de figurinos e projeções de fatos reproduzidos em telão. “O foco é contar esse tempo, abordando a música, fatos jornalísticos, moda, pensamento político-social e, claro, o afeto e a lealdade entre esses dois amigos inseparáveis”, diz Espósito. Local: Teatro & Bar Cemitério de Automóveis, Rua Frei Caneca, 384 – Consolação. São Paulo – SP, Tel: (011) 2371-5744, Tempo de Duração – 55 minutos, Capacidade – 32 lugares – Acesso a cadeirantes.

Henrique Stroeter - foto Luiz Doro Neto

Interpretação do ator Henrique Stroeter na peça “À Meia Noite Um Solo de Sax na Minha Cabeça”, que entra em nova temporada a partir do dia 16 no Teatro & Bar Cemitério de Automóveis. Foto de Luiz Doro Neto

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal