Taubkin & Bahule

Menos é muito mais!

Dois duos recém-formados fazem música de altíssima qualidade com a riqueza de culturas que sofreram influência da Espanha e Portugal

Roger Marzochi, do entresons

Não é preciso grandes formações musicais, orquestras gigantes, para se criar música de qualidade. Dois duos criados em São Paulo no ano passado, Taubkin e Bahule e Lume, estão produzindo uma música de altíssima qualidade sem perder a simplicidade do pop, capaz de se comunicar até mesmo com quem prefere única e exclusivamente música de entretenimento, que é a prioridade número um da grande mídia.

O duo Lume é formado pelos multi-instrumentistas Luana Baptista, nascida no Uruguai, e o brasileiro Gui Augusto. Essa dupla lançou nesta semana o primeiro CD que leva o nome do projeto, com nove músicas autorais explorando a confluência da musicalidade do português e do espanhol. A maioria das músicas, com letras profundas vindas direto da alma, é de autoria da dupla. Mas “Sou”, com letra de Flávio Tris, tem um vídeo incrível no Youtube, com 3,6 mil acessos.

Já o duo Taubkin e Bahule é formado pelo contrabaixista brasileiro João Taubkin e a multi-instrumentista moçambicana Lenna Bahule. Diferentemente do Lume, essa dupla transatlântica explora a sonoridade do português e, principalmente, de línguas de povos de Moçambique (Machope, Changana e Xitswa), para fazer da voz um instrumento ainda mais potente, mas sem qualquer conotação semântica. “A ideia é deixar aberto para gerar curiosidade e movimento, questionamentos. Isso é bom. A gente não precisa entender tudo nessa vida. E isso coloca a gente em estado de humildade e movimento. Entender tudo perde a chance de viver o agora. Isso gera movimento para não perder a vida”, explica Lenna.

Luana, do Lume, concorda que cada língua tem uma melodia. “Tem gente que fala e já desenha uma melodia. Eu acredito muito que a música vem desse lugar, dentro da fala e depois para o som. Com certeza esses sotaques de cada um trazem elementos diferentes e sonoridades diferentes”, explica a cantora e percussionista, nascida em Montividéu, mas também morou dez anos na Costa Rica. Há músicas em português, em espanhol, e há músicas com os dois idiomas misturados. “É a face da América Latina, por mais que o Brasil tente se afastar disso. O brasileiro tem ainda dificuldade para se sentir latino-americano.”

LUME (26)

Luana Baptista e Gui Augusto se alimentam de muita música instrumental e latino-americana, conseguindo levar para a música autoral muita sensibilidade

O CD “Lume” começa com a música “Alumbre”, uma canção que é tratada pela dupla praticamente como uma oração, uma invocação pela paz na Terra. Seguem-se canções que Gui Augusto e Luana explicam que, apesar de pedirem mais calma a quem escuta, são capazes de se comunicar com os amantes da música em geral. Ambos bebem suas inspirações na música latino-americana e também na música instrumental, na busca de se tocar com o som da alma.

“(A música) é um reflexo de como eu vivo a vida. Eu sigo muito a linha do Hermeto (Pascoal), não precisa ser só instrumental para fazer a música da alma. Eu escuto o som na cabeça, entrar em contato com o inconsciente e sua emoção. Hoje em dia tem ideia de compor querendo se adaptar ao estilo e questões da mente e da técnica. Várias músicas do disco literalmente baixaram em mim, vieram muito da emoção da alma”, explica Gui, que aprendeu a tocar violão aos dez anos, estudou clarinete e ainda é percussionista e cantor.

E esses duos não são movimentos separados. O Lume contou com a participação da cantora e percussionista Lenna Bahule na canção “Passarim”. Em ambos os casos, a estratégia de produção musical não é a mais de se gravar um CD. Os grupos foram gravando vídeos no Youtube à medida que compunham as músicas. João Taubkin, filho do pianista Benjamin Taubkin, já havia revelado essa estratégia ao blog em agosto do ano passado. O contrabaixista e compositor apresenta grooves potentes no contrabaixo, fazendo contracantos com Lenna, uma verdadeira princesa Machope, tribo do sul de Moçambique. Segundo João, as músicas do duo que estão no Youtube estarão na segunda quinzena de maio nas plataformas digitais como Deezer, Spotfy e iTunes. Discos físicos serão produzidos, mas apenas para vender em shows e apresentar para produtores de eventos. “As plataformas digitais funcionam bem melhor que o CD no contato com o público”, diz João.

Taubkin & Bahule2

Lenna Bahule e João Taubkin transmutam línguas do Brasil e Moçambique em novos sons, de um dos instrumentos mais raros do mundo: a voz

Nascida em Maputo, Bahule começou a aprender música aos seis anos. E sua voz é indescritível. Quem a escuta imagina que ela está cantando em uma língua africana. Não está de todo errado, especialmente na música “Tinogona”. O fato é que ela usa o som das palavras que permeiam a cultura de Moçambique, incluindo o português, para criar sons. A música “Griot”, por exemplo, é uma canção que, na mente dos dois compositores, defende o diálogo entre os homens, entre os homens e a natureza, a busca da liberdade. “Quando ela (a música) começa a ter sentido concreto, a música fica empacada. O que oferecemos é uma linha de pensamento com uma paleta de cores. Se fosse para fazer uma narrativa sobre o que simboliza Griot, seria um texto enorme (risos)”, brinca Lenna. Grito são como são chamados os guardiões da tradição oral africana. “Muitas vezes não precisa da letra para comunicar”, diz João. “Quando eu ouvia disco de bandas inglesas eu não entendi e adorava, captava o sentimento sem entender a letra. É pensar na língua como um instrumento, como um instrumento de sopro ou percussão. As palavras pensadas como música, mas não na questão poética.”

 

Shows:

 

Taubkin & Bahule

03/05 às 18h, Gratuíto

Museu da Língua Portuguesa

Praça da Luz, s/nº – Bom Retiro

Link do evento: https://www.facebook.com/events/1708122309294938/

 

Taubkin & Bahule

05/05 às 16h30, Gratuíto

Fundação Ema Klabin (São Paulo)

Rua Portugal, 43 Jd. Europa,

Link do evento: https://www.facebook.com/events/239066823322422/

Página do Grupo no Facebook: https://www.facebook.com/taubkinebahule/

 

Lume

12/05 às 21h, R$ 20

Teatro Décio de Almeida Prado

Rua Cojuba, 45, 04533-040 São Paulo

Link do evento: https://www.facebook.com/events/161775714513574/

Página do Grupo no Facebook: https://www.facebook.com/lumemusica/

 

Como músico, é um prazer escrever sobre cultura. Mas, assim como músico, esta é também uma profissão: o de jornalista. Para que o entresons continue publicando artigos, o blog precisa de sua contribuição. Conheça a história do site e participe do financiamento coletivo recorrente, clique aqui e conheça o projeto.

 Logo Clube de Assinantes entresons Arte de MTC

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal