João Gilberto (1983_ por Mario Luiz Thompson)

“Vamos sentir a falta de João”, diz Chick Corea

Pianista americano relembra o dia em que conheceu João Gilberto, que o venceu em todas as partidas de pingue-pongue

Roger Marzochi, do entresons.com.br  /  Crédito da Foto de João Gilberto de Mário Luiz Thompson em show do mestre ao vivo ao ar livre no Festival de Águas Claras em 1983

(Instagram: @entresons.com.br / Facebook: www.facebook.com/Entresons)

Os grandes ícones da música têm histórias inusitadas. O bruxo Hermeto Pascoal, por exemplo, gaba-se de ter nocauteado Miles Davis no ringue que o trompetista americano tinha dentro de sua própria casa. E, quem diria, João Gilberto não era apenas o gênio que inventou a bossa nova, mas também nutria grandes habilidades no pingue-pongue. Quem lembra da história é o pianista americano Chick Corea que, a pedido do entresons.com.br, escreveu uma breve homenagem ao músico brasileiro, que morreu no último sábado, dia 6 de julho.

“Eu e todos nós vamos sentir a falta do João. Vamos amar a sua contribuição musical para sempre”, afirmou Corea, que no fim de junho lançou o novo álbum “Chick Corea and The Spanish Heart Band: Antidote”, no qual o maestro revisita “Desafinado”, música de Tom Jobim e Newton Mendonça, imortalizada por João Gilberto. Leia a reportagem sobre a verdadeira medicina social da arte neste trabalho de Corea clicando “aqui”. Há uma negociação para o lançamento de discos do Festival de Águas Claras, o Woodstock Brasileiro, realizado em Iacanga, no qual o mestre brasileiro da bossa nova fez uma surpreende participação ao ar livre, tema que também foi reportagem do entresons.com.br na matéria “Além de documentário, ‘Woodstock Brasileiro’ deve ser lançado em CD e Vinil“.

Essa música “Desafinado”, que faz uma enfática defesa da bossa nova, já estava presente em “Chega de Saudade”, disco de Gilberto que influenciou a arte brasileira para sempre, lançado em 1959. Em 1963, João Gilberto e Tom Jobim gravaram essa faixa e muitas outras incríveis canções em outro icônico disco com o saxofonista norte-americano Stan Getz: “Getz/Gilberto”, lançado em 1964. De acordo com o Dicionário Cravo Albim da Música Popular Brasileira, esse álbum ficou em segundo lugar da parada de sucesso da revista Billboard durante 96 semanas, tornando-se um dos 25 discos mais vendidos daquele ano.

Chick Corea1

“Foi uma experiência que ficou comigo por toda a vida. Eu envio minhas condolências à família de João e um sentimento de amor eterno. E agradeço por tudo o que João deu a mim e ao mundo. Armando ‘Chick’ Corea.”

Desde 1962, quando Gilberto fez um show no Carnegie Hall, em Nova York, o músico decidiu morar nos Estados Unidos. E, com a fama conquistada, realizou uma série de shows com o saxofonista americano. É entre o fim dos anos 1960 e o início dos anos 1970 que Chick Corea conhece o pai da bossa nova. Corea já havia montado a sua incrível banda Return to Forever, com a participação dos brasileiros Airto Moreira na percussão e Flora Purim nos vocais.

Em 1967, Corea havia gravado com o quarteto de Getz o álbum “Sweet Rain” e viu uma  oportunidade para conhecer Gilberto. “Ouvi dizer que Stan estava planejando uma turnê, mas não tinha banda ainda. Eu tinha trabalhado com o quarteto de Stan em 1967 com Roy Haynes e Steve Swallow e já havíamos gravado ‘Sweet Rain’, então pensei que Stan gostaria que eu ajudasse a montar uma banda para ele nessa turnê. Ele perguntou quem faria parte da banda. Eu então consegui um acordo com Stanley Clarke, Tony Williams e Airto Moreira para sair e tocar com Stan e ele concordou em começar os ensaios em sua casa em Tarrytown, em Nova York”, diz Corea.

“Foi então que conheci o João. Nós nos tornamos amigos facilmente enquanto ensaiávamos as músicas que ele queria tocar com o grupo. Jogamos um pouco de pingue-pongue juntos – onde, em um estilo muito descontraído (com a mão esquerda no bolso), ele me bateu a cada partida! Tivemos uma semana maravilhosa no Rainbow Grill (casa de shows no Rockefeller Center, em Nova York). Foi uma experiência que ficou comigo por toda a vida. Eu envio minhas condolências à família de João e um sentimento de amor eterno. E agradeço por tudo o que João deu a mim e ao mundo. Armando ‘Chick’ Corea.”

Comentários
Uma resposta para ““Vamos sentir a falta de João”, diz Chick Corea”
  1. Mário Aphonso disse:

    Parabéns sempre uma linda materia….
    Avante e a frente…Abração

Deixe um comentário

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal