Ciência e meio ambiente inspiram o CD “Quantum”

Duo Quantum 2019-08-08 at 11.11.08

Cientistas têm criado arte no Brasil, em um movimento que vem crescendo desde a década de 1960, refletindo um processo que ocorre em todo o mundo. Eles usam modelos matemáticos, microscópios, sensores, biossensores e algoritmos para fazer da técnica uma expressão lúdica e abstrata. A arte em si, no entanto, também é uma ciência, cujos métodos são muito diversos daqueles empregados pelo modelo cartesiano, que ainda exige prova em laboratório. A ciência da música é a capacidade de sentir e fazer sentir por meio de sons. A música não é matemática, não é física, apesar de as notas musicais e os instrumentos, na maioria das vezes, respeitarem leis dessas áreas do saber. “Em um primeiro momento, você conta o compasso. E, então, para de contar, pois você o internalizou. Você para de contar porque sente o número”, explica o pianista paulistano Daniel Grajew, que buscou inspiração na física quântica e no meio ambiente em “Quantum”, seu novo CD em parceria com o percussionista Túlio Araújo. Há participações especiais em várias composições, como Carlos Malta, Dani Gurgel, Jorge Continentino e Lea Freire. O disco foi feito sob encomenda do Savassi Festival, de Belo Horizonte, evento no qual os músicos realizaram o primeiro show do trabalho, em agosto deste ano.

Improvisação no Choro e jazz brasileiro passa por transformação “ininteligível”

pixinguinha_e_jacob_do_bandolim-IMS

Avenida Rudge, 944, Bom Retiro. Era para esse endereço que Izaías Bueno de Almeida se deslocava com grande alegria, o maior número de noites possíveis, ao longo da década de 1960, em São Paulo. Lá morava Antonio D’Auria, o criador do Conjunto Atlântico, um importante grupo de choro do País, cuja trajetória é contada no livro “Conjunto Atlântico – Uma História de Amor ao Choro”, de José de Almeida Amaral Júnior. No fundo da residência, pertencente à família de D’Auria até hoje, rodas de choro se formavam num estúdio improvisado de cerca de 16 metros quadrados. Em uma dessas noites na casa do saudoso chorão, Izaías estava na roda com seu bandolim, tocando uma das músicas que mais marcaram o início de seu aprendizado no instrumento: “Doce de Coco”, de Jacob do Bandolim. O jovem músico mal conseguiu acreditar em seus olhos quando, naquele mesmo recinto, entrou Jacob do Bandolim, em pessoa. “Eu improvisei na frente dele. Foi uma ousadia da minha parte. Os chorões improvisam, sempre improvisaram. Mas foi uma ousadia fazer uma variação para a música dele perto dele”, recorda Izaías, com certa angústia. “Ele fez uma cara de reprovação. Ele disse que não precisava de parceiros, que a música era bonita por si só. E eu fiquei envergonhado, inclusive. Mas foi o que aconteceu. Voltei a improvisar, mas não na frente dele. O Jacob tinha um temperamento terrível, muito difícil.” Hoje, aos 81 anos, é Izaías quem faz cara feia.

Camba(i)lhota

2Mula Sem Cabeça20150714_Serrinha_ResidenciaMusical_WalterCosta_MG_1378

“Quando eu vou assistir um concerto, um show, eu espero sair melhor do que entrei. Aquilo tem que transformar minha vida de alguma forma.” A frase do baterista e compositor Magno Bissoli, em entrevista a este blog em 2014, revela a transformação que a arte pode operar no público. E, entre os músicos, ocorrem transformações parecidas, ainda mais quando são realizadas as chamadas “residências artísticas”, que reúnem artistas de outras regiões e países. Em 2015, o festival Arte Serrinha, que é realizado em uma antiga fazenda que produzia café em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, promoveu pela primeira vez em sua história um encontro de músicos brasileiros e estrangeiros. Como resultado desse encontro, nasceram muitas músicas inéditas, eternizadas no CD-DVD “Música na Serrinha – 10 dias de criação”, lançado no início de setembro pela gravadora Núcleo Contemporâneo.

Pife Muderno lança CD duplo de show ao vivo gravado na China

Carlos Malta

A banda Pife Muderno, que tem como um dos seus idealizadores o multi-instrumentista Carlos Malta, lançará no início de abril o CD duplo “Ao vivo na China”, com shows de apresentação do trabalho nos dias 1 e 2 no Sesc Copacabana, no Rio, e no dia 10, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. A apresentação na China ocorreu em 2011, quando a banda recebeu um convite da embaixada do Brasil em Pequim para realizar um show na sala de concerto que existe na Cidade Proibida, o Forbidden City Music Hall. O teatro, com capacidade para 1.500 pessoas, estava praticamente lotado e o público ficou entusiasmado com a performance da banda, que iniciou o show dentro da sala e terminou no hall de entrada, liderado pelo carisma contagiante do som de todo grupo e da confiança e habilidade musical de Carlos Malta.

“Pífanos do Agreste” estuda 17 bandas de Pernambuco

João do Pife

A produtora Página 21 lançou em novembro o livro “Pífanos do Agreste”, resultado de uma pesquisa e um mapeamento de 17 bandas de pífanos no agreste central de Pernambuco. Os pesquisadores percorreram 1.500 km para realizar o levantamento, que teve a participação de historiadores, músicos e antropólogos. O estudo tem como objetivo garantir medidas de salvaguardas dessa expressão popular e usou a metodologia do Inventário Nacional de Registro Cultural, com acompanhamento técnico do Iphan, com o objetivo de conquistar o reconhecimento como Patrimônio Imaterial no Brasil e perante a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, fazendo o mesmo caminho que o frevo, que obteve esse reconhecimento em 2012.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal