Ciência e meio ambiente inspiram o CD “Quantum”

Duo Quantum 2019-08-08 at 11.11.08

Cientistas têm criado arte no Brasil, em um movimento que vem crescendo desde a década de 1960, refletindo um processo que ocorre em todo o mundo. Eles usam modelos matemáticos, microscópios, sensores, biossensores e algoritmos para fazer da técnica uma expressão lúdica e abstrata. A arte em si, no entanto, também é uma ciência, cujos métodos são muito diversos daqueles empregados pelo modelo cartesiano, que ainda exige prova em laboratório. A ciência da música é a capacidade de sentir e fazer sentir por meio de sons. A música não é matemática, não é física, apesar de as notas musicais e os instrumentos, na maioria das vezes, respeitarem leis dessas áreas do saber. “Em um primeiro momento, você conta o compasso. E, então, para de contar, pois você o internalizou. Você para de contar porque sente o número”, explica o pianista paulistano Daniel Grajew, que buscou inspiração na física quântica e no meio ambiente em “Quantum”, seu novo CD em parceria com o percussionista Túlio Araújo. Há participações especiais em várias composições, como Carlos Malta, Dani Gurgel, Jorge Continentino e Lea Freire. O disco foi feito sob encomenda do Savassi Festival, de Belo Horizonte, evento no qual os músicos realizaram o primeiro show do trabalho, em agosto deste ano.

entresons.com.br cria o projeto eLab#Sons

tree-736885_1280

Os painéis “Guerra e Paz”, do pintor brasileiro Cândido Portinari, foram parar na sede da ONU na década de 1950 sob encomenda do governo brasileiro. Inúmeros são os artistas que recebem encomendas para criar obras. Eu posso não ser um Portinari, mas faço arte com as letras e sons com o pouco de técnica que tenho no saxofone. Por isso, o entresons.com.br vai passar por uma mudança. Nesses quase sete anos de existência, escrevi textos gratuitamente para centenas de artistas. Com a crise e a falta de apoio no projeto de financiamento coletivo, vou escrever textos no blog sob demanda dos artistas. Isso não significa que serei assessor de imprensa, com todo respeito à profissão a qual já professei por pelo menos dois anos. O que eu faço é diferente do que é feito por uma assessoria, que apresentam, em sua maioria, ótima qualidade e bom nível de informação. Quando escrevo, eu costumo viajar um pouco mais na poesia algumas vezes e entrelaçar minha experiência de vida às obras descritas. Bom ou ruim, não sei. O que tenho ouvido de amigos músicos é que exploro tessituras que eles não haviam pensado antes. E que, algumas vezes, colaboram para que pessoas fora dos círculos da arte tenham empatia com relação a essas obras. Nos últimos oito meses, o blog recebeu a visita de 3,7 mil usuários. É muito, é pouco? Acredito que conseguir chegar ao coração de uma única pessoa já é um sucesso. Mas com o comissionamento, será possível impulsionar as publicações nas redes sociais.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal