Músico maranhense teve que dar relógio em troca de comida para não passar fome em São Paulo

Caminhos de Papete

O músico maranhense José de Ribamar Viana, o Papete, está escrevendo um livro contando a história de sua vida, desde os apuros que passou ao chegar em São Paulo, em 1968, até as conquistas, como gravar 23 CDs, conhecer músicos admiráveis, subir ao palco de prestigiados festivais, como o de Montreaux, na Suíça, e ser reconhecido como um dos maiores percussionistas do mundo. Papete lançará em São Paulo, em novembro, o contagiante CD duplo “Sr. José” e o livro “Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão”, que eterniza a vida de 34 mestres do Bumba Meu Boi. Nos dias 6 e 7 de agosto, a reportagem do blog entresons pode ficar bem perto deste músico culto e polêmico, que conhece os ritmos dos toques das mais variadas tradições da cultura popular brasileira.

Onde o rio encontra o mar

Papete (1)

O trabalho do músico maranhense José de Ribamar Viana, mais conhecido como Papete, pode ser comparado à água: é tão vital quanto o líquido precioso que alimenta a terra. Papete completará 68 anos em novembro, mês que escolheu para fazer o lançamento em São Paulo de dois trabalhos, já lançados no Maranhão, que mostram a profundidade da cultura popular maranhense e sua projeção no mundo enquanto cultura pop. O primeiro é o livro “Os Senhores Cantadores, Amos e Poetas do Bumba Meu Boi do Maranhão”, no qual revela a história dos 34 mestres mais representativos do Bumba Meu Boi no Estado; o segundo é o CD duplo “Sr. José… de Ribamar e outras praias…”, verdadeira fonte da juventude do artista, que ao usar técnicas de gravação e levar um espírito de esperança em sua interpretação o faz soar como um garoto de 20 anos.

Núcleo Contemporâneo chega à maioridade cultivando a independência

Casa do Núcleo

Um dos principais desafios de um artista é conseguir sobreviver com a cultura que ele produz. No caso específico dos músicos da chamada música instrumental, ou jazz brasileiro, a questão é ainda mais delicada. E um bom exemplo de que é possível conciliar arte, sem concessões ao mercado, com retorno financeiro que dê o mínimo de dignidade ao artista é uma iniciativa que foi lançada em 1997: o Núcleo Contemporâneo, que é ao mesmo tempo produtora e gravadora, e que lançou há quatro anos em São Paulo a Casa do Núcleo, um local de encontro dos artistas relacionados ao movimento e seu público. Nesses 18 anos, a iniciativa que deu certo e produziu 45 CDs e distribui outros 45, de artistas como Na Ozzetti, Naná Vasconcelos, Marco Pereira e Hamilton de Holanda, entre outros. Ao todo, foram vendidos 120 mil CDs.

“Terra” chamando

terra

O mar é como um telescópio direcionado para dentro do homem. Pode ampliar as possibilidades de vida, mas também limitar ou mesmo destruir o que estiver em seu caminho, assim como nas mais fortes ressacas. A ideia pescada é da peça “Aqui Estamos com Milhares de Cães Vindos do Mar”, que o diretor Rodrigo Spina criou a partir de uma sobreposição de uma série de peças do romeno Matéi Visniec, cuja vida foi marcada pela ditadura comunista em seu país. Após se mudar para a França em 1987, o autor se surpreendeu com a ditadura da sociedade de consumo, hoje em escala planetária. O reflexo de uma peça como essa é sem dúvida uma visão panorâmica da desgraça humana. E, diante de tanta tristeza, há músicos, poetas, dramaturgos e atores, verdadeiros cães de cegos que surgem do mar para dar sentido à escuridão da humanidade.

Rubens de La Corte lança ‘Nomad’ nos EUA e no Brasil

R

O álbum ‘Nomad’ é uma jornada ao redor do mundo. Um reflexo da trama de estilos e influências adquiridas por Rubens de La Corte ao longo dos seus últimos 15 anos na estrada. Como diretor musical e/ou músico em turnê, o artista já trabalhou com músicos como Anjelique Kidjo, David Bowie, Lou Reed, Carlos Santana, Dave Matthews, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Eliane Elias, entre muitos outros. Esses trabalhos proporcionaram ao músico a possibilidade de circular por mais de 50 países, conhecer culturas diversas e pesquisar as mais diferentes sonoridades. A partir dessa experiência, De La Corte criou o tecido musical para ‘Nomad’, formado por ritmos e influências diversas. No álbum, o compositor e cantor experimenta texturas sonoras – ora buscando a complementação e ora buscando o diálogo entre as linguagens.

Gustavo Spínola iça velas para navegar “Mares, Rios”

Gustavo Spindola Capa_CD

O cantor, instrumentista e compositor Gustavo Spínola lançará no segundo semestre de 2015 “Mares, Rio”, seu primeiro trabalho autoral. Serão nove faixas que expressam um som de grande sensibilidade, resultado de parcerias muito especiais. É como se, em pleno interior de São Paulo, na cidade de Americana, nascesse um movimento musical que já começa no mesmo nível de qualidade de artistas como 5 a Seco e Hugo Branquinho. Entre os vários mestres de Gustavo, está a pianista e cantora Andrea dos Guimarães, professora inspiradora que ajudou indiretamente o músico a realizar o sonho do primeiro CD. Andrea faz show do seu CD “Desvelo”, no dia 1 de junho, às 21h, no Espaço Cachuera, em São Paulo.

Dani & Debora Gurgel Quarteto faz show no sábado em SP após turnê pelo Paraguai, Japão, Espanha e Itália

Dani & Debora Gurgel Quarteto Japão

Após uma intensa turnê entre setembro e outubro pelo Paraguai, Japão e Europa, o Dani & Debora Gurgel Quarteto se apresentará neste sábado (28/11) na Casa do Núcleo, em São Paulo, tocando as composições de “Luz”, o último CD do grupo. O show contará com a participação especial do violonista Gabriel Santiago, que tocará músicas do quarteto e também sons de “Metropole”, seu mais recente trabalho, gravado com os integrantes do quarteto Thiago Big Rabello (bateria) e Sidiel Vieira (baixo), além do pianista Zé Godoy. Dani & Debora Gurgel Quarteto representa a união de quatro músicos muito talentosos, onde não há um que se sobressaia sobre o outro, assim como em muito o que se ouve em outros grupos, especialmente da música instrumental.

Quinteto Cais resgata bases dos anos 70 com sonoridade moderna

Quinteto_Cais01

Após mais de dez anos acompanhando cantoras como Gal Costa e Rosa Passos, o guitarrista Marcus Teixeira conseguiu neste ano dar forma a um velho sonho: criar um grupo para dar vazão às composições próprias com outros músicos que pudessem se dedicar de corpo e alma a todo o processo de criação. Assim surgiu o Quinteto Cais, que já gravou três músicas autorais e que deve lançar até o fim do primeiro semestre de 2015 um CD com dez músicas. O grupo disputa verba do Proac, mas Teixeira afirma que o CD sairá mesmo se o Cais não for contemplado com o apoio cultural do Estado de SP. A partir de novembro, o quinteto começará a realizar shows pelo circuito de jazz e música instrumental brasileira em São Paulo.

Dani & Debora Gurgel Quarteto faz sucesso no Japão

Tower Records

Os músicos Dani Gurgel, Debora Gurgel, Thiago Rabello e Sidiel Vieira retornaram ao Brasil revigorados no fim de setembro após shows realizados no Japão e nos Estados Unidos. Integrantes do Dani & Debora Gurgel Quarteto, eles acabam de lançar no exterior o excelente CD “Um”, com uma agenda de shows em São Paulo desde o início de outubro. O CD tem dez músicas, sendo três arranjos para composições de João Bosco e Aldir Blanc, Rod Temperton e Hermeto Pascoal. As outras sete músicas inéditas são resultado de composições próprias de Dani e Debora com parceiros como Edu Krieger, Guilherme Ribeiro e Fábio Cadore.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal