A utopia que a história vem cobrar do PT e do PSDB

Apesar de terem sido formados com filosofias diferentes, uma vez no poder o PSDB e o PT se mostraram iguais: 1) usaram de caixa 2 para financiar suas campanhas, apesar de a Justiça e a imprensa investigarem com exclusividade irrestrita o PT; 2) foram forçados a abrir concessões a partidos gestados pelo Ato Institucional Número 2 (AI-2), na criação do sistema bipartidário com o qual os militares fizeram dos políticos marionetes; 3) cederam a pressões fisiológicas e, muitas vezes, usaram da corrupção nos casos como o projeto de reeleição de Fernando Henrique Cardoso, os trens do tucanato paulista ou os projetos que estavam em pauta no Congresso durante o governo de Lula, a pilhagem em Furnas e na Petrobras.

Pergunte a um poeta, mas nunca a um ditador

Adylson Godoy foto de Claudia Souza

O destino entrelaça caminhos de forma inacreditável, colocando muitas vezes opressores e oprimidos lado a lado. Foi o que aconteceu com o pianista e compositor Adylson Godoy em 1980, quando se apresentou na casa do ditador João Figueiredo. Adylson, que completa 50 anos de carreira, foi censurado pela Ditadura, proibido de gravar “Heroica” e “O General e o muro”. Mas também fez trincheira de resistência. “Eu perguntei a ele (Figueiredo) se o Brasil tinha jeito. E ele, com um copo de uísque na mão, me disse: ‘você já viu cobertor curto?’”, diz Adylson, que 35 anos depois da resposta, chega a usar a mesma metáfora para se referir ao Brasil hoje. Pode se pode completar 50 anos de carreira e achar que Figueiredo estava certo? Seu único deslize talvez seja o de perguntar a um ditador algo que só um poeta pode responder.

Liberdade de imprensa. Use em legítima defesa

Alex Periscinoto

Alex Periscinoto discute liberdade de imprensa a partir de um anúncio da Agência Juniper Park, do Canadá, para mostrar que os publicitários não pensam apenas nos consumidores, mas na cidadania de forma ampla.
.

Após os protestos, reze a “Missa dos Quilombos”

missa_dos_quilombos

O seu protesto foi no dia 13 ou 15 de março? Em ambos os protestos a tônica majoritária foi o de gritar contra a corrupção, obviamente excluindo desse ponto principal as vozes de minorias – cada vez maiores – que defendem a volta da Ditadura de Direita no Brasil (1964-1985), seja porque quer uma intervenção militar por não aceitar a decisão da maioria que elegeu Dilma Rousseff, seja porque desconhecem o poder transformador de educadores como Paulo Freire e de músicos como Chico Buarque.

Protesto eleva venda de panelas em 1.964% e irrita líderes liberais

panelas31

Desde o último domingo, quando macondonenses protestaram com um panelaço durante o pronunciamento do presidente do país, Demétrius Rosticoff, as vendas de panelas dispararam nas lojas. Especialistas explicam que parte desse incremento nas vendas é resultante dos furos provocados nas panelas pelas batidas do último domingo. Mas, para a maioria dos cientistas políticos do país, o principal motivo para o crescimento das vendas em 1.964% entre o último domingo e quinta-feira é a disposição dos manifestantes em usar a panela nova como instrumento musical durante o superprotesto agendado para domingo, dia 15 de março. “É bom lembrar que, o crescimento das vendas se deu porque ninguém mais acredita que panela velha é que faz manifestação boa”, diz o cientista político, Olívio Lamou Niê.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal