Sentir e viver a música

renato_russo_31

Quando se escreve um poema, um livro, uma letra de música, uma peça de teatro os símbolos deixam de habitar a cabeça do criador para povoar os corações e mentes do público. Não importa a história de quem criou a obra. Talvez, em algum momento, essa informação possa fazer um sentido maior sobre a personalidade do criador e seus reflexos na sua criação. Mas a força da sua mensagem está nessa capacidade incrível de transcender a realidade, de falar para além de seu tempo. Renato Russo foi capaz de ser um poeta eterno, explorando, com as dissonâncias do rock, os abismos da injustiça social, da humana desumanidade, da solidão e da alegria das coisas simples do cotidiano. Alheio à sua história, à própria história do rock nacional, que floresceu na década de 1980, o que realmente me importava ouvindo Legião Urbana era reconhecer em suas letras um protesto contundente contra os enlatados americanos; o trabalho sem identidade de “Música de Trabalho”; a poluição da fábrica e a coisificação do homem em “Fábrica”; que o prá sempre, sempre acaba (“Por enquanto”).

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal