Refugiados promovem festa multicultural em SP  

Abraço Cultural

A festa “Aquele Abraço Cultural- 2ª edição” irá reunir refugiados, imigrantes de várias partes do mundo e brasileiros no sábado, dia 30 de julho, das 13h às 19h, na Praça Dom Orione, no bairro do Bixiga, em São Paulo. A celebração, aberta e gratuita terá atrações como música, dança, gastronomia, artes visuais, jogo, moda, artesanato, além de um debate sobre Refúgio e Diversidade Cultural, tatuagem síria de hena e caligrafia árabe. O evento celebra 1 ano do projeto Abraço Cultural www.abracocultural.com.br e será realizada em parceria com o Espaço 13.

Oficina promove a construção de tambores

Tambores

O projeto Tambores Flow, que promove meditações com o uso da música, vai realizar no domingo, dia 13 de março, uma oficina de construção de tambores xamânicos com a participação da meditadora Monica Jurado e do construtor de tambores Flavio Jun Uchikawa. A oficina custará R$ 250 e ocorrerá das 9h às 17h no Espaço Tambor, na Rua Conselheiro Pereira Pinto, 68, em Pinheiros, São Paulo. Segundo Uchikawa, os tambores serão feitos de madeira compensada com pele de caprinos ou uma manta plástica e terão 40 centímetros de diâmetro. Os aros dos tambores serão levados já fabricados, para facilitar o processo de construção. Ele começou a fabricar tambores em 2006, por uma motivação religiosa, aprendendo por conta própria. Em 1986, acordava no meio da noite assustado com o som de tambores e, com o tempo, aproximou-se de religiões como a umbanda e o Santo Daime, que utilizam o instrumento.

Lê Coelho apresenta “Tuvalu” no Sesc Vila Mariana

Lê Coelho

Integrante da Banda de Argila e do grupo os Urubus Malandros, Lê Coelho, que já gravou com artistas como Zeca Baleiro e Vânia Bastos, apresenta seu primeiro CD solo “TUVALU – uma história oral do nosso tempo” – destaque entre os lançamentos do ano de 2015 pela crítica especializada. Neste show, além das canções do disco, o púbico ouvirá em primeira mão canções inéditas do compositor, releituras do repertório da ‘Banda de Argila’ e dos ‘Urubus Malandros’, sua interpretação para a música ‘Gota por Gota’ gravada recentemente pelo cantor ‘Lineker’ e para o single ‘Equivocado’ que gravou com a banda ‘Meia Dúzia de 3 ou 4’. O título do disco faz referência a um país real que, devido ao impacto ambiental causado pelo homem no planeta deve sumir do mapa nos próximos anos e, também, ao livro do jornalista Joseph Mitchell que fala sobre o intrigante personagem Joe Gould, um mendigo da Nova York dos anos 40 que tinha como objetivo escrever “A História Oral do Nosso Tempo”.

Último “meditashow” do ano refletirá sobre como semear um novo ciclo

Tambor e Rosa Foto de Fernando Almeida

O grupo Meditação com Tambores realizará na sexta-feira, 11/12, às 20h30, o último “meditashow” de 2015. O evento, que ocorrerá na Casa Jaya, em Pinheiros, terá como tema principal a celebração do ano que está terminando e uma reflexão sobre como semear um novo ciclo, que se iniciará em janeiro. Criado há dois anos, o grupo é formado pela meditadora Monica Jurado, a psicanalista Patrícia Alcântara e a cantadeira de histórias Cristiane Velasco, que encontraram no som dos tambores um importante veículo para estimular a meditação e o autoconhecimento. Participarão do evento a musicista Mariana Pilatos Corado (violino e rabeca) e Roger Marzochi (sax). O grupo também convida os participantes a levarem seus tambores.

Músico integra Expedição Rio Doce Vivo  

Zeolina

O contrabaixista e compositor Vinícius Pereira sempre esteve ligado a importantes movimentos culturais, tendo liderado o Movimento Elefantes, que busca formar público para a música instrumental e atuando como músico de bandas que fazem desde uma homenagem ao maestro Moacir Santos, passando pelo tango até a música oriental. Compositor de “Gotita”, uma das músicas mais expressivas e mais bonitas da atual cena da música instrumental brasileira, segundo avaliação do próprio blog entresons, Pereira será uma das sete pessoas, entre outros artistas, educadores e engenheiros, que percorrerão quatro cidades entre Minas Gerais e o Espírito Santo de 13 a 20 novembro, levando informações sobre coleta e tratamento da água da chuva para suprir as comunidades de meios para superar a crise provada pela tragédia do rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco.

Independente de luz no fim do túnel

Eduardo Kobra Tahiti Maio 2015

Estados Unidos, Moscou, Itália, Emirados Árabes, Taiti, Suécia, Polônia, Japão. Eduardo Kobra jamais imaginaria no fim da década de 1980 que os desenhos que pichava nos muros de São Paulo, que lhe renderam várias prisões, chegariam um dia tão longe. Com a evolução de sua técnica e o reconhecimento de sua arte, Kobra é hoje um cidadão do mundo. Mas, quando começou, era apenas um garoto pobre do bairro Campo Limpo visto como vândalo que emporcalhava a cidade. Após tantas realizações, ele revela que o seu maior sonho agora é se “aproximar mais de Deus” e valorizar as pessoas que sempre estiveram com ele em todas as suas fases: “quem pegou ônibus na periferia de SP, e sempre esteve comigo, merece estar comigo em todos os lugares onde cheguei”, diz Kobra. Essa busca por Deus se intensificou nos últimos dois anos.

Som na Rural chega a São Paulo com shows gratuitos

Rural

O projeto cultural pernambucano Som na Rural, promovido por Roger de Renor, ganha as ruas de São Paulo entre os dias 7 a 21 de junho, com shows no Capão Redondo, Largo do Paissandu, Praça da República, Minhocão e Diadema. Com a finalidade de valorizar o espaço público, as apresentações são gratuitas e realizadas na rua, usando como palco e cenário uma Rural Willys 1969, do produtor Niltinho Pereira, um dos idealizadores do projeto, patrocinado pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura PE). Entre os artistas que se apresentarão na Rural estarão Karina Bhur, Grupo Bongar, Trummer SSA, Zé Brown, entre outros. O Som na Rural já passou por Brasília, no final de abril.

Meditação para crianças no Dia Mundial do Brincar

baixa resolucao (3)

A Meditação com Tambores celebra o Dia Mundial do Brincar, neste domingo, dia 31 de maio, com uma programação especial para as crianças. A educadora Cristiane Velasco contará a história “A Véia da Gudéia”, acompanhada pela rabeca de Mariana Corado e pelos tambores de Mônica Jurado e Patrícia Alcântara. O conto foi criado em 2001 por Cristiane Velasco e seus alunos no espaço de educação infantil Casa Redonda Centro de Estudos, a partir do pesadelo de uma criança de 5 anos. A história narra as aventuras de uma bruxa brasileira, reunindo cantigas e danças tradicionais. O nome da personagem foi “emprestado” de uma lenda da Pedra do Baú (São Bento do Sapucaí/SP). O evento é direcionado a adultos e crianças, que poderão brincar de meditar. “Ouvir histórias é uma forma ancestral de meditar e de autoconhecimento”, explica Mônica Jurado.

Terapia familiar é aplicada em empresas

Curso de Constelações Organizacionais com Oswaldo Santucci

Uma terapia aplicada ao tratamento de traumas familiares está ganhando espaço nas corporações: é a chamada constelações sistêmicas, termo criado pelo alemão Bert Hellinger nos ano 1980 que considera o indivíduo como parte de um sistema de relações, tendo a família como a base da estrutura, buscando contextualizar os problemas e agir tendo como foco as soluções. Essa terapia é nova e traz consigo conceitos polêmicos como, por exemplo, a “ressonância mórfica”. Apesar deste conceito trabalhar com a ideia de que a mente é muito maior que o cérebro, estendendo-se para o contexto social e, no caso de famílias, para membros de gerações muito anteriores que nem chegamos a conhecer, carrega consigo a polêmica de defender que há uma transferência de conhecimento entre outras pessoas mesmo que estas não tenham contato umas com as outras, como defende o biólogo Rupert Sheldrake sobre a existência de uma “memória coletiva” em seu texto “A mente ampliada”.

Trovadores Urbanos promovem show de relaxamento e meditação

Trovadores Urbanos

Nos sábados dias 16, 23 e 30 de maio, às 21h, o grupo Trovadores Urbanos vai cantar no escuro, numa experiência de relaxamento. O evento vai ocorrer no Armazém da Cidade, na Vila Madalena, misturando as suaves músicas brasileiras interpretadas pelos Trovadores com uma vivência conduzida pelo mestre de meditação e yoga Sandro Bosco, autor do livro “Meditação para quem acha que não consegue meditar”.

Social



Licença de uso

Licença Creative Commons
Os textos do Entresons são publicados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Você pode reproduzir, retransmitir e distribuir o conteúdo, desde que com crédito (ao site e ao autor do texto), para uso não-comercial e com uma licença similar.

Próximos shows

Assinar: RSS iCal